Artistas, Artesãs, Pioneiras (Edições Caixa Alta, 2020)

Artistas, Artesãs, Pioneiras, de Maria Antónia Fiadeiro

::

Edição, revisão de texto, coordenação editorial e publicação por Madalena Caramona e Guilherme Pires. Organização de João Fiadeiro e Pedro Viana. Capa de Ideias com Peso, a partir de pintura de Maria Mendes. Paginação de Raquel Silva. Impresso na Printer Portuguesa.

::

Capa dura, 576 páginas
ISBN: 978-989-33-0553-9
PVP: 25 € (incluindo IVA)

Para encomendas: livros@oficinacaixaalta.pt

::

Este é um livro singular e irrepetível, fruto do olhar sensível e atento, quase íntimo, de Maria Antónia Fiadeiro — jornalista de prestígio, pioneira da imprensa escrita portuguesa do pós-25 de Abril e dos estudos femininos em Portugal — sobre o trabalho e a vida de pioneiras, artistas e artesãs portuguesas cujo percurso é fundamental para compreender o espaço e o papel da mulher na história recente do país.

Artistas, Artesãs, Pioneiras é composto por quase cem entrevistas a personalidades como Ana Salazar, Lourdes Castro, Maria Mendes, Teté (Teresa Ricou), Hélia Correia, Luísa Dacosta, Graça Morais, Maria Antónia Palla, Paula Rego, Maria Gabriela Llansol, Maria Velho da Costa, Lídia Jorge, entre muitas outras. Inclui também conversas com pioneiras anónimas em áreas recentemente abertas à participação feminina, como Cândida Pala Alves, a primeira carteira portuguesa, ou Ilda Moura, a primeira meteorologista em Portugal.

As entrevistas foram realizadas entre 1982 e 2008, e publicadas originalmente em meios como o Jornal de Letras, Artes e Ideias, o Diário de Notícias, o Diário de Lisboa ou as revistas Máxima e Casa & Decoração.

Trata-se de uma recolha — de vozes, sensibilidades, experiências, saberes, sonhos e lamentos — com um valor histórico inestimável, sobretudo se pensarmos nas ambições, obstáculos e desafios da mulher na sociedade portuguesa no fim do século XX e início do século XXI. É ainda um documento extremamente pertinente nos dias de hoje, onde o lugar da mulher na sociedade está no centro das agendas políticas, sociais e culturais.

A obra inclui, como abertura, uma entrevista inédita à autora, realizada por Francisca Gorjão Henriques em Janeiro de 2020, e encerra com um texto autobiográfico, publicado em 1987 no Sábado Popular (futuro Diário Popular), sobre a experiência de Maria Antónia Fiadeiro durante o seu exílio no Brasil.